PUBLICIDADE

Topo

Histórico

Ginástica facial ajuda a minimizar sinais do envelhecimento

Adriana Vilarinho

27/01/2020 04h00

iStock

Manter a saúde da pele é um desafio diário. Com o passar dos anos, nossos músculos e nossa pele sofrem com as ações do tempo e, por isso, a atividade física é fundamental para o bem-estar e vitalidade. É saudável para o corpo realizar exercícios para manter a saúde e a tonificação muscular. E assim também é para a face.

A ginástica facial é um tratamento que pode auxiliar a minimizar os sinais de envelhecimento, proporcionando maior tonicidade à musculatura facial, de acordo com pesquisa publicada pelo periódico Jama Dermatology, em 2018.

Com movimentos manuais, que podem ou não ser associados a outros artifícios como eletroestimulação, deslizamento de pedras, dermocosméticos e ácido hialurônico, os exercícios faciais ajudam a ativar a circulação sanguínea e a melhorar a oxigenação da pele, além disso também auxiliam no combate à flacidez.

Para realizar o tratamento com ginástica facial de forma adequada, é importante ter o acompanhamento de um dermatologista, pois há algumas restrições quanto à prática dos movimentos, como em gestantes, pessoas com pele acneica ou que tenham realizado procedimentos com toxina botulínica e preenchedores, por exemplo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Adriana Vilarinho é graduada pela Faculdade de Medicina do ABC, em São Paulo, especialista em dermatologia pela Associação Brasileira de Medicina e pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da qual é membro. Também faz parte da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD) e da American Academy of Dermatology.

Sobre o blog

O que a gente chama de beleza é o reflexo da saúde. Uma pele bonita é uma pele saudável, cabelos bonitos são cabelos saudáveis e por aí afora. Este é o espaço para quem busca orientações dermatológicas confiáveis, sempre visando o bem-estar, com dicas que muitas vezes podem ser até bem simples e descomplicadas, mas que são sempre baseadas na experiência médica.

Blog da Adriana Vilarinho