menu

Topo
Blog da Adriana Vilarinho

Blog da Adriana Vilarinho

Histórico

Rosácea: saiba o que é e como tratar a inflamação crônica na pele

Adriana Vilarinho

20/10/2018 04h00

Crédito: iStock

Você já ouviu que vermelhidão, pele sensível e pequenos vasos sanguíneos aparentes na face são manifestações comuns da rosácea. É verdade, mas calma… Apresentar algum desses sinais isoladamente não significa que você tem o problema. A seguir, vou ajudar você a entender melhor a condição.

A rosácea é uma doença crônica inflamatória que compromete na maioria das vezes o centro da face e se manifesta com o rubor fácil e a presença de pequenos vasos sanguíneos aparentes, além de erupções vermelhas, como pápulas e pústulas.

A sensação de pele seca, inchaço e queimação também são frequentes e, em fases mais avançadas, tem-se a formação de estruturas chamadas fimas, que são tumorações fibrosas que se formam no nariz, na testa ou no queixo.

Quais as causas?

A doença ocorre devido a uma série de fatores, sendo dois dos mais relevantes a alteração de microvasos da face e um estado inflamatório crônico ao qual a pele do paciente com rosácea está exposta, influenciado muitas vezes por uma desregulação do sistema imune.  Há estudos que apontam uma influência genética para a rosácea, apesar do possível gene envolvido ainda não ter sido identificado.

O que muitos não sabem é que rosácea não é só uma doença de pele e pode também acometer os olhos: pode causar secura, lacrimejamento ou mesmo dor, chegando em alguns casos a provocar ceratite e conjuntivite.

Como tratar

Apesar da rosácea não ter cura definitiva, é possível manter o problema sob controle com medicações tópicas para desinflamar a pele e remédios por via oral quando as lesões são mais proeminentes.  Pode-se fazer uso também da luz intensa pulsada, que age atenuando os vasos sanguíneos aparentes da rosácea e diminuindo seu processo inflamatório.

O rubor facial é uma das queixas mais frequentes de quem tem a doença. Para controlar isso, evite expor a área afeta ao sol, temperaturas extremas (muito altas ou muito baixas) e a ingestão de álcool. É importante lembrar também que para quem tem pele sensível não são recomendados cosméticos adstringentes, com álcool ou abrasivos.

Para avaliar qual o melhor tratamento para cada tipo de rosácea você deve consultar um dermatologista.

Sobre a autora

Adriana Vilarinho é graduada pela Faculdade de Medicina do ABC, em São Paulo, especialista em dermatologia pela Associação Brasileira de Medicina e pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), da qual é membro. Também faz parte da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD) e da American Academy of Dermatology.

Sobre o blog

O que a gente chama de beleza é o reflexo da saúde. Uma pele bonita é uma pele saudável, cabelos bonitos são cabelos saudáveis e por aí afora. Este é o espaço para quem busca orientações dermatológicas confiáveis, sempre visando o bem-estar, com dicas que muitas vezes podem ser até bem simples e descomplicadas, mas que são sempre baseadas na experiência médica.